Share, , Google Plus, Pinterest,

Postado em

Vamos debater o país?

Uma proposta de democratização de debates sem medo de mudar o país

por FRANCIS DUARTE

dia 26 de agosto, em São Paulo, foi marcado pelo início de um ciclo de debates promovido pela Frente Povo Sem Medo, o Vamos!, e objetiva repensar o país com uma proposta de aprofundamento da democracia somada às lutas das camadas mais populares. Os debates serão organizados em eixos de democratização: economia, política e poder, cultura e meios de comunicação, territórios e meio ambiente, programa negro, feminista e LGBT.

A proposta do Vamos! se estenderá por outras capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Fortaleza, Belém e Recife, e conta ainda com uma plataforma digital de fora para que pessoas de outras cidades tenham acesso ao material, mobilizem profissionais relacionados às temáticas e todos que se interessem em formar núcleos de discussão, além de participarem de fóruns digitais.

O evento de abertura teve sua primeira mesa de discussão composta pelos mediadores
Leonardo Sakamoto e Dríade Aguiar e, para o debate, Guilherme Boulos, líder do MTST, Eduardo Suplicy (PT/SP), Luiza Erundina (PSOL/SP), Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e a liderança indígena Sônia Guajajara.

Inicialmente, Leonardo Sakamoto destacou que “a desilusão não pode destruir a esperança”. Falou sobre a necessidade de transformação do país e que o ciclo de debates do Vamos! almeja discutir o Brasil que queremos. Reforçou que as atividades serão abertas em cidades de todo o país e também incentivou o uso da plataforma digital.

Guilherme Boulos, do MTST, agradeceu a presença de todas as pessoas e abordou o momento de desesperança e retrocessos, bem como a importância de lutar contra a descrença e a antipolítica. Reforçou a necessidade de se pensar verdadeiramente num projeto para o país e mudar nossos rumos. “Ganhar eleições não basta, visto o golpe que o país sofreu e, portanto, a democracia não pode ter as mesmas oligarquias de sempre. O povo precisa ter participação ativa e debatedora.”

Erundina, do PSOL/SP, demonstrou sua preocupação com a juventude e a necessidade de reacender nela o interesse pela política. Destaca que a política é importante e, desse modo, é preciso se “reencantar e lutar por uma dimensão social, educadora e coletiva. É preciso transformar o país com todos e todas”.

Suplicy, do PT/SP, falou da luta e da importância da presença de outros nomes políticos para o diálogo e a busca de um projeto democrático para o Brasil. É imprescindível, neste momento, um projeto do povo e para o povo. Ressaltou ainda a iniciativa de debate promovida pelo ciclo do Vamos!, tanto na plataforma digital quanto nas praças e ruas. Terminou com a afirmação de que “é de grande importância ir além dos muros das nossas casas e, assim, elevar o grau de justiça e da participação popular”.

Freixo, do PSOL/RJ, abordou o quanto a esquerda precisa se olhar com mais fraternidade e dialogar num projeto democrático. Destacou que o Vamos! provoca incômodo, inclusive na própria esquerda, e, por isso, é positivo para promover uma reflexão. Pecisamos dialogar com nossas similaridades, mas também com nossas divergências para um debate amplo e próximo de todas as pessoas neste país.

Sônia Guajajara, líder indígena, cumprimentou todos, valorizou a presença das mulheres e da luta dos presentes e o quanto é preciso acreditar num país melhor. Emocionou ao abordar a violência sofrida pelos índios do Pico do Jaraguá frente à revogação de terras e que “não será o marco temporal de um governo ilegítimo que delimitará a luta de todos os povos indígenas”. Finalizou que é preciso lutar ainda mais e se reorganizar enquanto resistência.

O lançamento oficial do Vamos! contou ainda com falas dos presentes, sorteados da plateia, para apresentar suas opiniões sobre o ciclo de debates e, consequentemente, iniciar todo o projeto de discussão pública e popular e que busca unir todo o país para levar adiante uma transformação social para todos.

Vamos! Sem medo de mudar o país!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *